sábado, 9 de junho de 2012

Silêncio

As palavras se afogaram.
Todas  elas.
Junto delas
Uma música
Flor
Cintilâncias
Diurnas
Noturnas
Um deus
Uma besta.

Mar tragante
Obscuro fundo
De lama, apodrecidos
Palavras foram ao fundo
Antes, da alma
Agora, entre restos.