quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Não é poesia!!

Queria escrever sobre
o amor que tive
a decepção que tive
a chuva de ontem
o vento da tarde...

Mas tudo isso ficou
tão pequeno...
tão lugar-comum...
tão previsível

Que decidi escrever
... Que nada tenho a dizer
... Que observo,
... Que me abraso,
... Que excedo limites
... Que me explodi em sensações

E que não há nisso rima
E do que não se tem a dizer
Nada se ausentou
... do amor que tive
... ou da decepção que tive
... ou da chuva de ontem
... ou do vento da tarde.

Foto by Werner Mathi

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Acordo

Deite
a qualquer tempo
palavra tacanha
não tema
a qualquer tempo
terei em meu templo
tristeza
ternura
por tua tessitura
tão estranha
de destroçar
Tire o dia
Tire o ano
serei toda ouvidos
tato
telespectadora
de tua interminável
introspecção
intransigência
(intra) omissão
Falta de tesão para a vida!









quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Monólogo

O que mais ressalta
Desse vácuo deixado
Entre nós é a ausência
Das conversas intermináveis
De questionamentos das verdades
Mais absolutas
Madrugadas de críticas
Ferinas
Desapego com as convenções
Liberdade que meus pensamentos
Experimentaram
Pela primeira vez.

... Ressalta, vez ou outra,
Minha impaciência com a superficialidade.
Terei eu envelhecido,
Amadurecido,
Desabrochado?

Não me descobri outra.
Retirei o manto de sobre mim
- eu, que sempre estive!











Foto by Guilherme Bonnes