segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Acordo

Deite
a qualquer tempo
palavra tacanha
não tema
a qualquer tempo
terei em meu templo
tristeza
ternura
por tua tessitura
tão estranha
de destroçar
Tire o dia
Tire o ano
serei toda ouvidos
tato
telespectadora
de tua interminável
introspecção
intransigência
(intra) omissão
Falta de tesão para a vida!









4 comentários:

  1. Quanta musicalidade!
    gostei muito do jeito que escreve(os outros posts também)...
    adoro blogs de poesia...

    (eu te vi na comunidade "filosofos de buteco")

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Gustavo!

    Sinta-se à vontade para visitar, comentar...
    ... Viu só? Nem só de filosofia vivem os botecos! rsss


    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. na verdade...
    minha vida começou la,
    sabe a criadora do tópico do drink?
    estamos juntos ate hoje!
    kkkkkk

    ResponderExcluir
  4. Que legal, Gustavo!

    ... Li na descrição da comu: "a mais casamenteira"... kkk

    Abraços!

    ResponderExcluir