sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Renda (-se)



As rendas finas
entregues
por sonhos
de olhos abertos
procuram
por adornar.

As fantasias em pó,

levadas pelo vento,
sempre à mesa
conosco.

Sua tempestade

lavou, levou.

A ira em sua face

deformou
curvas delineadas
por poemas.

Renda-se:
a saia é rodada
o decote é redondo
mas não há sianinha.


Nenhum comentário:

Postar um comentário