sexta-feira, 12 de junho de 2009

Por partes


Aquelas mulheres se escreviam
Por retalhos.
Que é isso – apropriar-se
De pedaços de outras vidas
Para compor a própria?

As partes se costuravam
E as vidas também.
O suor umedecia a parte
Já umedecida pela lágrima
De outra.

Se iam à mesma linha
Ora se cruzavam
Oras se arrematavam
Pois partes mal alinhavadas
Tinham também.

Da tesoura
Que servia a dois cortes
Ao tecido sem avesso
Por vezes duas
Tinham o mesmo nó.

Da estampa inglesa
À torre francesa
Uma noite, uma mão
Pares de olhos e ouvidos
Antes que o sol nascesse.

No âmago encontra
Abrigo certo
Entre todos os retalhos
Há o de flores que
Fazem a torre
Mais iluminada.

As linhas mal alinhavam
Os nós não se apertam
A luz está lá, no alto, nas flores
De partes de outras
Se monta uma vida.

Encaixam-se por tema
Por cor, arremates,
Caseados
Em sentido horário ou anti
A base para dentro
De cada autora.

2 comentários:

  1. Nunca li algo assim... Parabéns Gi. Bela postagem! :)

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Flaviele...
    Nunca havia lido algo assim também!
    Foram pescadas em uma revoada!!! :)

    Abraços!!!

    ResponderExcluir