domingo, 5 de julho de 2009

As poucas coisas detestáveis...

As poucas coisas detestáveis

Enfileiram-se atrás de ti

Fazem de tua sombra escudo

Fazem de teus lapsos frestas

Para observar

Para manifestar...

Foto by Wagner Campelo

6 comentários:

  1. PARABÉNS PELOS POEMAS, DEVANEIOS E PRINCIPALMENTE PELA DELICADEZA E SENSIBILIDADE,

    ABRAÇOS

    VAN XAVIER

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Vanderson!

    ...Os poemas e todas as nossas atitudes são apenas tentativas de construção (de objetos ou de nós mesmos)...
    Agradeço imensamente sua visita e espero vê-lo aqui mais vezes.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Opa Gi! ando meio sumido mesmo, a faculdade anda me matando, haha.

    Sobre o poema, ótima metáfora que usou, se encaixa perfeitamente. Eu sempre adoro essas coisas ditas de outra forma, que parecem que cabem mais e ganham mais sentido do que com a própria forma literal.
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Oi, Marco!

    Obrigada pela visita!
    "Não se mate/ Oh, não se mate!"...Rss
    Reserve-se também as metáforas, os versos e essa troca de pensamentos tão boa!...

    Abraços!!!

    ResponderExcluir
  5. Nossa... Como escreves bem! Adorei o seu blog.
    Vou visitar mais vezes.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. Obrigada, Anderson!

    Será sempre bem vindo!

    Abraços!

    ResponderExcluir