sexta-feira, 31 de julho de 2009

Padme

Padme, és bela?
Não sei
Não me dirás
Nasces do lodo, do lixo
Do detestável
Que repudio desde sempre

Padme, tens perfumes?
Quando minhas mãos tocarem a pele,
Será macia, quente, extasiante?

Padme, tens poemas?
Os gemidos, sorrisos ou sussurros
Serão condizentes com toda
Rudeza propagada em
Mil expressões vulgares?

Padme, nascerás e habitarás?
És possível entre as fendas de pedras?
Enraizar-te-ás delicadamente
Oxigenando e umedecendo
Os meios?



Padme, existes?













Foto by Rodolfo Fracalossi Paes

Nenhum comentário:

Postar um comentário