segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Vá num suspiro

Desejo que te vás rapidamente
Sem dores ou alarde
Num suspiro apenas
Como fez a Sinhá

Não te demorarás
- Tenho certeza de que vigias a porta
E estás, a todo momento,
Buscando que eu pisque
Ou pisquem
Os olhos despercebidamente
Para abandonar-me.

Acompanha-me a certeza
De que curto é nosso trajeto
Desde meu nascimento:
Sei que estás assim, mãos
Dadas por apenas dedos,
Fraco laço.

Mas adoraria que me deixasses
Em momento de maior lucidez
Que agora
Quando vejo e ainda desejo
Sua presença, insanamente.

Deixe-me sem arroubos,
Sem doenças crônicas,
Sem intervalo para sofrimento
Sem lamentações
Sem noites de vigília
- Somente vá, num suspiro.

Vida minha,
como se dá à vizinha
Bom dia
Boa noite
- Somente os cumprimentos...
Se vá sem alarde, cedo,
Sem doença, sem medo...
Somente um suspiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário